O Grupo de Pesquisa Brazilian Ocean Acidification Network (BrOA) foi criado em dezembro de 2012, durante o Workshop "Studying Ocean Acidification and its effects on marine ecosystems", sendo organizado pelo programa internacional de geosfera-biosfera (IGBP), Universidade de São Paulo (USP), Conselho de Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Brasil (CNPq) e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O grupo tem como objetivo de curto prazo integrar os pesquisadores brasileiros em uma ampla rede nacional de cooperação interdisciplinar em estudos de Acidificação dos Oceanos, além de contribuir com os programas internacionais em curso. O grupo atua em ambientes distintos ao longo da costa brasileira, desde ecossistemas costeiros e estuarinos até o regime oceânico de águas abertas.

 

O Grupo é liderado pelo Prof. Dr. Rodrigo Kerr do IO/FURG e pela Profa. Dra. Letícia C. da Cunha da FO/UERJ, sendo composto por pesquisadores de 7 Instituições de Ensino Superior (FURG, UERJ, UFRJ, UFF, USP, UESC, UFPe), distribuídos em 12 laboratórios associados.

Figura 1. Localização das Instituições de Ensino e Pesquisa do Brasil que integram atualmente o grupo de pesquisa BrOA.

As linhas de pesquisa desenvolvidas pelos pesquisadores do BrOA são Biogeoquímica de Ecossistemas Costeiros e Estuarinos: essa linha de pesquisa tem por objetivo monitorar os principais parâmetros biogeoquímicos em ecossistemas costeiros e estuarinos (lagunas, manguezais), de modo a identificar alterações das características ambientais devido à interferência antrópica e ao excesso de CO2 que vem sendo liberado na atmosfera; Efeitos da acidificação dos oceanos e das alterações das propriedades hidrográficas no metabolismo de organismos marinhos: essa linha de pesquisa tem por objetivo determinar os impactos e efeitos da Acidificação dos Oceanos e das propriedades hidrográficas (temperatura, salinidade, oxigênio dissolvido) na trofodinâmica e no metabolismo de organismos e comunidades marinhas, incluindo fitoplâncton, zooplâncton, recifes coralinos e bentos de fundos consolidados e não-consolidados; Estudo de proxies para avaliação e reconstituição do sistema carbonato marinho: essa linha de pesquisa tem por objetivo avaliar a aplicação de proxies carbonáticos na reconstituição do sistema carbonato marinho passado, possibilitando a compreensão dos efeitos da variação de CO2 atmosférico no oceano a partir de eventos pretéritos; Modelagem Oceânica e Biogeoquímica para estudos de Acidificação dos Oceanos: essa linha de pesquisa tem por objetivo simular os parâmetros biogeoquímicos a partir de rodadas de modelos oceânicos regionais, para estudos de Acidificação dos Oceanos e seus impactos na biota marinha e recursos pesqueiros; Processos físicos e biogeoquímicos controladores da troca de carbono na interface ar-mar: essa linha de pesquisa tem por objetivo determinar e modelar os fluxos líquidos de dióxido de carbono na interface ar-mar de ambientes costeiros, estuarinos e de regime oceânico, bem como utilizar sensoriamento remoto da cor do oceano para determinação do sistema carbonato em larga escala espacial.