O Projeto liderado pelo professor Humberto Calloni visa ao estudo aprofundado da compreensão do conceito de complexidade, notadamente a partir das contribuições filosóficas de Edgar Morin. Trata-se da criação de um Grupo de Estudos que se organiza em torno da leitura, análise e reflexão do paradigma da complexidade, tal como é entendido nas obras de Morin, num diálogo aberto a outras autorias.

O Projeto da formação do Grupo de Estudos da Complexidade nasce da necessidade de se repensar criticamente os paradigmas tributários de uma percepção unilateral da realidade e que determinam o conjunto de ações, valores e motivações sociais, culturais, pedagógicas e espirituais resistentes às demandas de um mundo que está a exigir novas, senão inéditas percepções das complexas interdependências que determinam, por sua vez, novas compreensões acerca do humano, da natureza, da vida em todas as suas manifestações. Não se trata de excluir, mas mesmo incluir o que já não suporta o apelo de um novo momento histórico, social, cultural e planetário, a fim de reabilitarmos a noção de biocentrismo, em que a ciência, a educação, a arte, a ética e a estética possam recomendar um novo humano sensibilizado para a paz e para o desenvolvimento pleno de suas qualidades inerentes de criação, invenção e realização do bem ético em conformidade com a natureza da qual emana.

Assim, o GEC busca colaborar na construção de novos conhecimentos a partir do paradigma da complexidade como uma exigência do próprio desenvolvimento das ciências e das técnicas do mundo contemporâneo, principalmente quando tal desenvolvimento traz consigo o caráter formador do ser humano em todas as suas dimensões, repensando a educação e a formação de educadores naquilo que Morin denomina de “reforma do pensamento”.

Atualmente, o GEC conta com nove membros e os estudos programados para este ano letivo contaram com leituras e discussões sobre a temática da noção de sujeito a partir das contribuições das obras de “O Método”, de Edgar Morin. Trata-se de um estudo aprofundado da epistemologia moniniana a partir das reflexões dos seguintes chamamentos: A noção de sujeito, O vivo do sujeito, O âmago do sujeito. O fundamento dessas leituras insere-se na ampliação da compreensão epistêmica do sujeito e sua contribuição para as pesquisas em âmbito de mestrado e doutorado. Para o semestre vindouro, programam-se novas inserções conceituais no amplo espectro da complexidade no sentido de o Grupo refletir e pesquisar abordagens complexas atinentes ao enfoque educacional institucional e as transformações emergentes a partir das tecnologias da informação e de modelos didáticos, destacando a noção de auto-organização dos processos vitais e das organizações sociais.