O GEPEFES, liderado pela professora Mara Regina Santos da Silva, reúne pesquisadores, profissionais e estudantes com a finalidade de compartilhar experiências, recursos e produzir conhecimentos acerca do processo saúde-doença das famílias em seu contexto ambiental. Sua produção integra abordagens qualitativa e quantitativa, utilizadas de forma complementar para o avanço científico e tecnológico na atenção interdisciplinar às famílias. Nessa linha de atuação, vem contribuindo para: desenvolver tecnologias de promoção da saúde e do desenvolvimento humano voltado, especialmente, para as famílias que vivem situação de risco psicossocial; instrumentalizar profissionais para o trabalho de promoção da saúde familiar, com aderência ao contexto no qual as famílias estão inseridas; fortalecer a interface entre a prática assistencial e a prática da pesquisa, através do ensino em nível de graduação e pós-graduação. Desenvolve no Programa de Pós-Graduação em enfermagem da FURG a disciplina "Estudos Avançados em Família", além de orientação de mestrandos e doutorandos.

Desenvolve projetos de pesquisa prioritariamente na temática resiliência, financiados por órgãos de fomento nacionais e internacionais.

Organizou o Simpósio Internacional famílias em Situação de Risco, em novembro de 2004, em Rio Grande/RS. No âmbito da cooperação internacional, o GEPEFES realiza pesquisas conjuntas com o Centre d’Études Interdisciplinaires sur le Développement de l’Enfant et la Famille (CEIDEF), as quais dão sustentação ao Acordo de Cooperação Internacional assinado entre a FURG e a Université du Québec à Trois-Rivières, desde 2004, e o Acordo de Cooperação Internacional, assinado em 2005, entre a FURG e a Université du Québec en Outaouais.

Dentre as parcerias nacionais do GEPEFES, está o Grupo de Assistência Pesquisa e Ensino de Família (GAPEFAN), com o qual já produziu dois livros sobre temáticas relacionadas à saúde das famílias.

As linhas de pesquisa são resiliência e promoção da saúde familiar, e o grupo possui como objetivo contribuir para o avanço do conhecimento acerca do processo saúde-doença familiar, com ênfase na resiliência; construir, através de projetos interdisciplinares, conhecimento sobre a saúde das famílias em seu contexto natural; desenvolver tecnologias de avaliação e de intervenção centradas nas potencialidades da família para produção de saúde.